Exame cadáverico revela fraturas antigas e indica que menino Kauã vinha sofrendo maus tratos – Alagoas 24 Horas: Líder em Notícias On-line de Alagoas

A Polícia Cientifica de Alagoas confirmou nesta sexta-feira, 29, que os exames cadávericos realizados nos restos mortais do menino Márcio Kauã Ferreira Acioli, encontrados ontem (28) em uma região de mata no Complexo Benedito Bentes, parte alta de Maceió, reveleram que a criança de dois anos possuía fraturas antigas e vinha sofrendo maus tratos. O…

A Polícia Cientifica de Alagoas confirmou nesta sexta-feira, 29, que os exames cadávericos realizados nos , reveleram que a criança de dois anos possuía fraturas antigas e vinha sofrendo maus tratos.

Divulgação

Divulgação

O laudo do exame cadavérico realizado pelo perito médico legista Kleber Santana, apontou morte por traumatismo crânio encefálico.

“Durante o exame encontrei uma fratura no osso occipital do crânio causada por um instrumento contundente, cuja investigações deverão apurar que tipo de instrumento é esse. Outro fato que constatamos no exame cadavérico, foi a localização de fraturas antigas consolidadas em três costelas, o que confirma que a criança vinha sofrendo maus tratos”, afirmou Kleber Santana.

Segundo informações do Instituto de Criminalística,

Decomposição do corpo

Sobre a esqueletização total do corpo, o perito médico legista explicou que não há como definir uma data exata da morte. Mas, que dentro das condições em que ele foi desovado, coberto por vegetação, ao relento, sobre condições temporais adversas como sol e chuva, pode haver uma aceleração da decomposição, mas que 10 dias seriam pouco tempo para esse resultado.

O responsável pela morte e ocultação do cadáver foi quem levou os policiais civis até ao local onde ele desovou o corpo do menino.

Exame de DNA

Já em relação a liberação da ossada para sepultamento, a perita odontolegista Dra. Ana Paula Cavalcante Carneiro Nemésio, responsável pelo Departamento de Identificação Humana do IML, explicou que a liberação só será possível após realização de exame de DNA.

O exame – obrigatório tendo-se em vista questões técnico-científicas e legais em relação a liberação de cadáveres vítimas de violência – servirá para identificar oficialmente a ossada encontrada e determinar se de fato pertende ao menino de 2 anos e 10 meses que estava desaparecido.

O menino não possuía registro de nascimento, o que só foi feito agora.

“Isso ocorre, tanto pelo estado em que o corpo foi encontrado, bem como pelo fato de que crianças nesta faixa etária geralmente não apresentam registros dentários ou de impressões digitais para que a equipe possa realizar outros exames de identificação, como o odontolegal e a necropapiloscopia. Os exames antropológicos também ficam limitados uma vez que, em crianças, ainda não há diferenciação sexual perceptível ao exame dos ossos,” afirmou a odontolegista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.