Lewis Hamilton rebate menção racista de Nelson Piquet: “Mudar a mentalidade”

Piquet chamou o piloto de “neguinho” ao comentar em entrevista a tentativa de ultrapassagem na Verstappen em 2021 Lewis Hamilton e Nelson Piquet (Foto: Reprodução / Instagram e Getty Images)

Lewis Hamilton respondeu às menções de Nelson Piquet, que entrevista o chamou de “neguinho” ao comentar em entrevista a tentativa de ultrapassagem de Verstappen em 2021. Na ocasião, o ex-piloto foi perguntado sobre comparação da manobra com uma feita por Senna em 1990.

Inicialmente Lewis compartilhou um tweet de seguidor que dizia: “E se o Hamilton simplesmente twitasse ‘quem diabos é Nelson Piquet?’ e saísse do Twitter?”. O piloto ainda comentou: “Imagine!”.

Posteriormente, em português, Hamilton disse: “Vamos focar em mudar a mentalidade”, acrescentando em post seguinte: “É mais do que linguagem. Essas mentalidades arcaicas precisam mudar e não têm lugar no nosso esporte. Fui cercado por essas atitudes e alvo de minha vida toda. Houve muito tempo para aprender. Chegou a hora da ação”, pontuou.

Entenda Em entrevista recente, o apresentador Ricardo Oliveira questionou Piquet sobre o acidente de Lewis Hamilton e Max Verstappen durante o Grande Prêmio de Silverstone de Fórmula 1, na Inglaterra, em julho de 2021.

No bate-papo, o ex-piloto comparou a batida com a colisão entre Ayrton Senna e Alain Prost em 1990, no Japão. Em sua menção, no entanto, Piquet usou o termo “neguinho” para se referir a Hamilton em sua explicação.

“O neguinho meteu o carro e não deixou [Verstappen] desviar. O neguinho deixou o carro porque não tinha como passar dois carros naquela curva. Ele fez de sacanagem. A sorte dele foi que só o outro se f****. Fez uma p*** sacanagem”, disse ele.

Vale lembrar que Nelson Piquet é sogro de Max Verstappen, que é casado com Kelly Piquet.

Hamilton e a saúde mental Em meados de março, Lewis Hamilton, sete vezes campeão mundial de Fórmula 1, fez um post Stories do Instagram Stories afirmando que estava “lutando mental e emocionalmente” e que é um “esforço constante para continuar”. Aos 37 anos de idade, o piloto britânico faz parte da escuderia alemã Mercedes e postou seu desabafo na web.

“Tem sido um ano muito duro com tudo o que está acontecendo ao nosso redor. É difícil se manter otimista alguns dias. Eu venho lutando mental e emocionalmente há bastante tempo, seguir em frente é um esforço, mas nós precisamos continuar lutando, temos muito a fazer e a alcançar”, afirmou o atleta.

Nas estatísticas da modalidade esportiva, o piloto é o maior vencedor de GPs da história da F-1, está disputando sua 16ª temporada. Neste ano, Hamilton está com uma uma classificação abaixo do esperado, de acordo com comentaristas e analistas esportivos. Na primeira prova do ano, ele terminou em terceiro no Bahrein. Já na Arábia Saudita somou apenas um ponto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.